Damos as boas vindas e agradecemos a todos pela visita a este espaço. Fiquem à vontade para acompanhar ao máximo todas as notícias e informações divulgadas e aproveitem para assistir AO VIVO a TV Justiça, TV Senado e a TV Câmara. ** We like welcome and thank you all for visiting this space. Feel free to follow the maximum all published news and INFORMATION To Watch and enjoy LIVE TV Justice, Senate TV and TV camera. RELATOR FINALIZA VOTO PELA CASSAÇÃO DE TEMER ~ Verdades Ocultas

sexta-feira, 9 de junho de 2017

RELATOR FINALIZA VOTO PELA CASSAÇÃO DE TEMER

Postado por: Fátima Miranda - 10:13:00

Compartilhar

& Curtir



247 com Reuters - O relator do processo da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Herman Benjamin, votou na manhã desta sexta-feira para cassar a dupla por terem comprado apoio de outros partidos e permitirem, dessa forma, aumentar o tempo de rádio e TV da coligação.

Benjamin disse que tanto os executivos da Odebrecht quanto o marqueteiro João Santana relataram negociações com as legendas para ampliar o tempo de televisão. Ele rechaçou as alegações da defesa de Dilma Rousseff de que os partidos "comprados" ingressaram na coligação por afinidade ideológica e que integravam a chapa com o PT desde 2006.

O relator afirmou ter havido compra de apoio de partidos aliados à coligação encabeçada por Dilma e Temer em 2014, com o uso de recursos da empreiteira. Ele mencionou, conforme depoimentos, que Pros, PRB e PCdoB receberam recursos, em casos até dinheiro vivo em hotéis, em troca do tempo televisivo.

O ministro destacou ter tido a melhor das impressões do ex-tesoureiro oficial da campanha Edinho Silva, que foi ouvido no processo. Mas ressalvou: "a rigor, dos autos, havia dois tesoureiros, o oficial, que era ele (Edinho Silva), e um informal, em contato direto com Marcelo Odebrecht, para fins aí sim de utilizar desses recursos de 150 milhões de reais".

O relator disse que houve uma triangulação nos negócios e explicou o fundamento do seu voto.

"Aqui não importa se os recursos foram efetivamente para a compra do rádio e televisão, o que importa é que esses recursos foram pedidos e recebidos de forma ilícita, então para fins de cassação da chapa, investigar as profundezas do pedido, a psicologia do pedido, essa destinação específica para o rádio e televisão, investigar tudo isso é desnecessário, embora comprovado", afirmou

A sessão foi encerrada e deve ser retomada à tarde, para os votos dos outros 6 ministros do TSE.

Leia reportagem anterior sobre o assunto:

Ricardo Brito, Reuters - O ministro Herman Benjamin, relator do processo da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), votou na manhã desta sexta-feira para cassar a dupla vitoriosa em 2014 pelo fato de a Odebrecht ter pago, via caixa 2, parte das despesas pelos serviços prestados pelos marqueteiros João Santana e Mônica Moura.

O relator citou trechos dos depoimentos de executivos da empreiteira e dos marqueteiros em seu voto, mesmo com a decisão, tomada na véspera pelo TSE em julgamento de preliminar, de excluir do processo todas as provas referentes a ambos os fatos.

Benjamin destacou que não ficou comprovado o valor preciso repassado ao casal de marqueteiros, que seria descontado dos 150 milhões de reais disponibilizados pela empreiteira à campanha eleitoral da coligação.

Segundo ele, o acerto pelos serviços seria de 105 milhões de reais, sendo 70 milhões de reais pela via oficial e 35 milhões pelo caixa 2 pago pela Odebrecht. Contudo, disse, parte do pagamento feito pela empreiteira não foi quitado porque a operação Lava Jato foi deflagrada. "A rigor, eles levaram um calote", afirmou.

O ministro disse que o acerto desses repasses foram operacionalizados pelo ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, conforme depoimentos do processo. Mantega, entretanto, negou ter participado dessa negociata.

Ele citou ainda o fato de que pagamentos pelos serviços prestados foram feitos numa conta offshore do casal na Suíça. Ele disse que a relação da empreiteira e o casal de marqueteiros chegou a ter um saldo em aberto de três anos.

"Inexistem dúvidas de que o trabalho de Santana na campanha contou com repasses da Odebrecht", afirmou Benjamin. "Não era apenas pagamento, era uma relação de trato sucessivo em que a Odebrecht funcionava como uma garantidora e dava para o futuro, mas também para trás esse 'conforto' referido por Marcelo Odebrecht", completou.

Para o ministro, a relação era tão próxima que Mônica Moura chegou a frequentar pessoalmente o setor de pagamento de propinas da empreiteira.

Mônica, disse o relator, foi a única pessoa a ter ido à "Muralha da China", como ele chamou o setor durante o julgamento em razão da dificuldade de acesso e blindagem interna.

"Podemos até retirar essa prova dos autos, mas não há dúvida de tudo isso que está no meu voto", sublinhou o relator.



Postado Por: VERDADES OCULTAS/ Fátima Miranda

RESPEITAMOS A DEMOCRACIA! "Democracia é oportunizar a todos o mesmo ponto de partida. Quanto ao ponto de chegada, depende de cada um." Fernando Sabino

0 comentários:

Postar um comentário

Copyright © Verdades Ocultas

Direitos reservados a VERDADES OCULTAS - Hidden Truths News - Personalização/Arte digital FMS Artes Gráficas WhatsApp 71-99291.6634. http://www.templatezy.com