Damos as boas vindas e agradecemos a todos pela visita a este espaço. Fiquem à vontade para acompanhar ao máximo todas as notícias e informações divulgadas e aproveitem para assistir AO VIVO a TV Justiça, TV Senado e a TV Câmara. ** We like welcome and thank you all for visiting this space. Feel free to follow the maximum all published news and INFORMATION To Watch and enjoy LIVE TV Justice, Senate TV and TV camera. JORNALISTA MINEIRO DISSECA O FIM DO PRINCIPADO DE AÉCIO NEVES ~ Verdades Ocultas

domingo, 21 de maio de 2017

JORNALISTA MINEIRO DISSECA O FIM DO PRINCIPADO DE AÉCIO NEVES

Postado por: Elder Pereira - 16:39:00

Compartilhar

& Curtir




"Ele é um dos principais culpados, sim, pela crise de credibilidade política que assola o país, não só por seus malfeitos, como por sua postura. Primeiro, deslegitimou o pleito e, por meio do partido que controla(va), reivindicou recontagem de votos. Depois, processou a chapa vitoriosa, o que pode levar, ironicamente, à cassação de Temer no mês que vem pela Justiça Eleitoral. Por fim, o ódio e o inconformismo, movidos por sua obstinação pessoal e pela contrariedade de ter perdido em casa (em Minas, não em Ipanema) resultaram no golpe parlamentar, que teve entre os tucanos seus mais contumazes fiadores", diz o jornalista João Gualberto Jr, no jornal O Beltrano


O fim do principado

Por João Gualberto Jr, no jornal O Beltrano

Um personagem e três momentos

O jovem secretário, 25 anos, tendo vivido mais coisa nos 48 meses anteriores do que muito marmanjo manjado em décadas, despedia-se do avô no leito de morte. Tancredo fora eleito indiretamente, mas não chegou a tomar posse como primeiro chefe de Estado do Brasil depois de 21 anos de ditadura. Aécio, o neto, testemunhou e sofreu in loco, no Hospital das Clínicas de São Paulo, o drama nacional que, antes, era o de sua família. Compadecera-se, possivelmente, a ponto de jurar que um dia envergaria a faixa que o destino negara a Tancredo.

Passados 25 anos, governador reeleito de seu Estado, Aécio homenageou o avô inaugurando a Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves. Era o legado físico de duas gestões bem-sucedidas e bem-avaliadas à frente de Minas Gerais, com as grandiosidades das curvas de concreto de Niemeyer, cheiros de JK em uma “brasilinha” vislumbrada pela estrela da festa, que não escondia de ninguém visar à capital federal propriamente dita. Março de 2010, tinha chovido pra burro: “é a lama, é a lama”. As autoridades diversas, inclusive o finado José Alencar, então vice-presidente, funcionários e a imprensa, todos em belos trajes. A ocasião pomposa pedia e merecia. Mas havia muitas placas de grama ainda soltas e água barrenta correndo pelos leitos reinventados no chão. Os convidados na estica, mas teve quem saísse da lá descalço. O barro cobriu os sapatos.

Agora, a Presidência é sonho impossível, e os palácios erguidos sobre o pântano, o atual governo mineiro cogita até leiloar.Para um jornalista mineiro que se dedica aos feitos da política, assistir ao ocaso político de Aécio e da irmã Andrea e escrever sobre isso demanda filtros de granito para conter os ímpetos da peçonha e virulência. Quanta notícia, quanta reportagem, quanta informação útil à vida dos mineiros foi escondida na gaveta a mando dela e em favor dele, por um projeto de construção de imagem irretocável. A greve da PM em 2004, o Choque de Gestão, o Estado para Resultados, o reerguimento do aeroporto de Confins e outros diversos acontecimentos, só para ficar nos oficiais, passaram pelo crivo da mentora intelectual do irmão. Eram ligações para chefia, pressão e pedidos de demissão de jornalistas. Se Aécio era tão bom quadro para a política nacional, por que demandava tanto controle, tanta blindagem?

Ainda assim, apesar do cerceamento à liberdade de imprensa e de tantos desmandos que se revelam hoje (entre eles, a denúncia de superfaturamento na Cidade Administrativa), merecem festa a prisão dela e o afastamento e possível cassação do mandato dele? Para aquém dos venenos e das vinganças pessoais, a derrocada dos irmãos é mais uma tragédia contemporânea.

No segundo turno de 2014, o tucano “tocou na taça”: eram 19h30, mais ou menos, quando a apuração dava que ele estava na frente de Dilma, que depois reverteu. Foram 51 milhões de brasileiros que confiaram o futuro do país a Aécio. E, por décadas, tantos milhões de mineiros avalizaram-no para deputado federal, governador por duas vezes e senador. Agora, essa pancada. “Quando um príncipe se apoia totalmente na Fortuna, arruína-se segundo as variações dela”.

A acusação que pesa contra o tucano é contundente, e o conteúdo foi gravado: negociou R$ 2 milhões em propina com os donos do frigorífico JBS em benefício de Andrea e do também senador Zezé Perrella (PMDB-MG) e que, para pegar o dinheiro, escolheu alguém que “a gente mata antes de fazer delação”. O golpe fatal não significa o fim político de um homem público apenas, mas daquele que acumulou mais poder e prestígio em Minas Gerais desde a redemocratização. É um guarda-chuva enorme que se fecha depois de ter abrigado uma dúzia de partidos satélites, com centenas de lideranças apaniguadas. Um grupo que ditava as regras do jogo, ungia chapas e candidatos, nutria-os, financiava-os e elegia-os. Assim foi com governador, senadores, deputados e centenas de prefeitos mineiros. O sentimento de orfandade política, hoje, percorre o Estado de Montalvânia a Extrema, de Ituiutaba a Salto da Divisa. Há um latifúndio aberto para a sucessão estadual, e um guarda-chuva fechado.

Para a sucessão presidencial, Aécio é carta fora do baralho. Já está em curso sua destituição da presidência nacional do PSDB, e o tucanato paulista dá de braçadas. Talvez por ter chegado tão perto e por não ter podido aproveitar a chance ímpar de ir aonde o avô não foi, o candidato derrotado tenha agido como agiu. “Quanto mais próximo o homem estiver de um desejo, mais o deseja. Se não consegue realizá-lo, maior dor sente”.

Ele é um dos principais culpados, sim, pela crise de credibilidade política que assola o país, não só por seus malfeitos, como por sua postura. Primeiro, deslegitimou o pleito e, por meio do partido que controla(va), reivindicou recontagem de votos. Depois, processou a chapa vitoriosa, o que pode levar, ironicamente, à cassação de Temer no mês que vem pela Justiça Eleitoral. Por fim, o ódio e o inconformismo, movidos por sua obstinação pessoal e pela contrariedade de ter perdido em casa (em Minas, não em Ipanema) resultaram no golpe parlamentar, que teve entre os tucanos seus mais contumazes fiadores.

Mas agora vem à tona a desfaçatez de quem só fazia por apontar a corrupção sistêmica como método adversário. A criminalização da prática política, imagem que ele hipocritamente denunciou e reforçou na opinião pública, por mero marketing, agora engole a ele e à irmã. Está perdido e atolado até o pescoço. Triste, nada a celebrar, mas “a culpa não é minha”… Cárceres à parte, “o outro nome de Minas é liberdade”.

Fonte: brasil247

Postado Por: VERDADES OCULTAS/ Elder Pereira

RESPEITAMOS A DEMOCRACIA! "Democracia é oportunizar a todos o mesmo ponto de partida. Quanto ao ponto de chegada, depende de cada um." Fernando Sabino

0 comentários:

Postar um comentário

Copyright © Verdades Ocultas

Direitos reservados a VERDADES OCULTAS - Hidden Truths News - Personalização/Arte digital FMS Artes Gráficas WhatsApp 71-99291.6634. http://www.templatezy.com