Damos as boas vindas e agradecemos a todos pela visita a este espaço. Fiquem à vontade para acompanhar ao máximo todas as notícias e informações divulgadas e aproveitem para assistir AO VIVO a TV Justiça, TV Senado e a TV Câmara. ** We like welcome and thank you all for visiting this space. Feel free to follow the maximum all published news and INFORMATION To Watch and enjoy LIVE TV Justice, Senate TV and TV camera. Não há graça na intolerância e no preconceito ~ Verdades Ocultas

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Não há graça na intolerância e no preconceito

Postado por: Fátima Miranda - 17:51:00

Compartilhar

& Curtir



O Globo - São incontáveis os abusos que temos vivido nestes tempos estranhos, difíceis, que vivemos. Abusos que atingem a todos. Abusos individuais. Abusos renitentes e coletivos, como a insegurança que, há décadas, castiga brasileiros.

Ano após ano, governo após governo, cidadãos-contribuintes, atônitos, padecem de insegurança e desproteção, corriqueira na vida dos mais pobres, mais vulneráveis, crescente entre remediados e ricos. Todos sujeitos a tudo.

E no tudo cabe assassinato, torturas, surras, costumeiros estupros – coletivos, inclusive.

Em grandes e pequenas cidades, em toda e qualquer rua, assaltos à mão armada são parte do cotidiano brasileiro. Não merecem planos de reformas, nem nada além de mimimi e blablabla da autoridade, mandantes ou paus mandados.

O século 21, previsto para ser marcado pelo conhecimento e pela tecnologia, neste primeiro terço, explode em abusos – grandes e pequenos. Não há Deus que nos acuda. 

No macro e no micro, o abuso corre solto. É norma de conduta.

Abusados, milhares navegam à deriva de compaixão em barcos e botes precários, superlotados. É gente. Embora nem pareça. São humanos desesperados, arriscando o que lhes sobra de dignidade para fugir das guerras. E, talvez, sobreviver aos campos, onde são confinados, até que o poder da autoridade lhes conceda abrigo em algum canto ainda não desgraçado por armas, terror e ódios.

Lá e aqui, longe e perto, somos diariamente bombardeados, não só com armas químicas ou misseis, mas também com palavras e obras. 

- Eu tenho 5 filhos. Foram 4 homens, a quinta eu dei uma fraquejada e veio uma mulher.

- Eu fui num quilombo. O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Nem pra procriador ele serve mais.

Tudo dito, desavergonhadamente, por inominável figura pública – parlamentar federal, celerado, que, em plenário, ao vivo, em transmissão nacional, homenageou um torturador – monstro cuspido e escarrado dos tempos da ditadura.

Abusador abusado, lamenta publicamente que seus colegas gorilas, na ditadura, não tenham “terminado o serviço”. Caso chegue ao poder, terminará o serviço. Promete “matar uns 30 mil que sobraram”.

Pois, em tempo de abusos, esse indigitado vem merecendo aplausos. Recebe homenagens à sua alardeada boçalidade até de impensáveis plateias, como a do clube Hebraica, no Rio de Janeiro. A Hebraica! Que reúne associados descendentes de vítimas do Holocausto – marca registrada de abuso, crueldade e desumanidade. 

Setenta anos depois, aqueles sócios da Hebraica limaram a lembrança de 11 milhões de mortos – 6 milhões de judeus, cinco milhões de “outros”, como ciganos, gays, comunistas, socialistas, anarquistas, portadores de deficiências, adversários. Gente que o desilustrado palestrante da Hebraica carioca definiria como cocô, “galinha que nunca vai dar ovo”.

Aquela plateia de filhos, netos, bisnetos de vítimas do nazi-fascismo não se lembra mais dos clubes macabros onde seus ancestrais foram reunidos, não como gente, nem como bichos, mas como escravos em quem toda a degradação foi testada. Esqueceram Auschuitz, Bergen-Belsen, Dachau, Sobidor, Teblink e seus muitos congêneres.

Sem constrangimentos, aplaudiram a intolerância. Rindo, debocharam do terror e da tragédia de seus avós, pais, primos, parentes, amigos e dos que hoje atuam para não deixar esquecer aquela barbárie e suas vítimas. Em tacada única, autorizam a repetição, legitimaram os abusos. Impuseram abuso sobre o abuso. 

Como a plateia da Hebraica, dezenas de pequenos abusadores impõem – e justificam - pequenos e cotidianos abusos aos vulneráveis, aos subalternos. É o juiz que abusa da autoridade decidindo fora da lei, ou constrangendo uma das partes - a mais fraca, sempre - com ameaças veladas, particularmente em causas corriqueiras, como pensão alimentícia: “A senhora sabe que eu posso, inclusive, reduzir a pensão de seus filhos? ” Ela sabe sim que sim. Ali, ele pode tudo. Inclusive ser injusto. E abusa disso.

É o delegado – às vezes, delegada – que insiste em desencorajar a abusada de registrar o abuso. “Isso pode prejudicar muito seus filhos...” Sem dize, diz: Siga abusada!

É o chefe – às vezes, a chefe – capaz de receber subalterna, que volta da licença maternidade, indagando: “Não foi tempo demais para descansar, não? Você já não cansou de tanto descansar? ” Ele/a apoiaria a redução da licença maternidade.

A cadeia de abusos vem – e vai - do micro ao macro. Tantos e, às vezes, tão costumeiros e sutis, que quase imperceptíveis. Mas são abusos e vêm marcando o século 21. Até quando? E até onde? Quanto? São limites que só nossa indignação – e compaixão - pode demarcar.

Postado Por: VERDADES OCULTAS/ Fátima Miranda

RESPEITAMOS A DEMOCRACIA! "Democracia é oportunizar a todos o mesmo ponto de partida. Quanto ao ponto de chegada, depende de cada um." Fernando Sabino

0 comentários:

Postar um comentário

Copyright © Verdades Ocultas

Direitos reservados a VERDADES OCULTAS - Hidden Truths News - Personalização/Arte digital FMS Artes Gráficas WhatsApp 71-99291.6634. http://www.templatezy.com