Damos as boas vindas e agradecemos a todos pela visita a este espaço. Fiquem à vontade para acompanhar ao máximo todas as notícias e informações divulgadas e aproveitem para assistir AO VIVO a TV Justiça, TV Senado e a TV Câmara. ** We like welcome and thank you all for visiting this space. Feel free to follow the maximum all published news and INFORMATION To Watch and enjoy LIVE TV Justice, Senate TV and TV camera. ONDA APÓS ONDA, O BARCO AINDA FLUTUA ~ Verdades Ocultas

segunda-feira, 10 de julho de 2017

ONDA APÓS ONDA, O BARCO AINDA FLUTUA

Postado por: Fátima Miranda - 14:19:00

Compartilhar

& Curtir

Imagem: Fátima Miranda




Fomos colonizados pelos portugueses e, por causa deles, carregamos o sangue lusitano no corpo (com uma boa dose de lirismo, além da sífilis, é claro). Gostamos de fazer piada e taxá-los de burros, simplórios, inofensivos, inocentes. Também os culpamos por todos os nossos atos inescrupulosos, numa clara mania de transferir ao outro a nossa plena ignorância e amoralidade. Ademais, a história de Portugal, para muitos, acaba em Pedro Álvares Cabral, como se o único ato dos nossos "descobridores" foi justamente o de nos "descobrir", e esquecem que a nossa ancestralidade e, principalmente, língua descendem dos "homens-chacotas".

Portugal, assim como mais da metade do planeta Terra, absorveu o nacionalismo efervescente da década de 30, instaurando, em 1933, o salazarismo, regime político que pôs fim ao liberalismo no país e inaugurou um período histórico de 41 anos de governo com aspectos fascistas, autocrata e corporativista, quando, por 35 anos, esteve sob o comando de Antônio de Oliveira Salazar, professor universitário que comandara o Ministério das Finanças, em 1928, e se destacara nessa tarefa. Doutrinário e normativo, o salazarismo caracterizou-se, acima de tudo, pelo seu teor nacionalista, tradicionalista, autoritário, antidemocrático, colonialista, anticomunista e antiparlamentarista.

Em 1974, Portugal era um país atrasado, isolado na comunidade internacional, embora fizesse parte da ONU e da Otan. Era o último país europeu a manter colônias e vinha travando uma longa guerra contra a independência de Angola, Moçambique e Guiné. O regime de Salazar havia conseguido manter-se através da repressão e fora tolerado pelos países vencedores da Segunda Guerra Mundial. Mas, para delírio da democracia portuguesa, chegou o dia 25 de abril daquele ano. Com a sua festejada Revolução dos Cravos, a liberdade em Portugal começou com a transmissão, pelo rádio, de uma música até então proibida (GRÂNDOLA, VILA MORENA). Os cravos enfiados pela população nas espingardas dos soldados acabaram virando o símbolo da revolução, que encerrou, ao mesmo tempo, 48 anos de ditadura fascista e 13 anos de guerra nas colônias africanas. A esquerda europeia viu em Lisboa um palco ideal para os movimentos frustrados de 1968. E, fortemente engajada, mostrou sua força na capital, enquanto trabalhadores rurais do Alentejo expulsavam latifundiários e banqueiros eram desapropriados.

No mesmo período, vivíamos, aqui no Brasil, um modelo de governo parecido ao dos irmãos d'além-mar. E, assim como lá, haviam cá aqueles defensores de podermos ter o direito de escolha, de expressão, de voto. Logo, sugerindo ao povo brasileiro pegar o exemplo dos portugueses, Chico Buarque suplicou a Portugal, mesmo que fossem parcas sementes, alguns cravos para que pudéssemos fazer uma revolução também. E, já no fim da letra e música, a súplica continua atual: "manda novamente algum cheirinho de alecrim!". Eis a linda, subversiva e guerreira TANTO MAR: https://www.youtube.com/watch?v=ST30-i7cZJk

Ao traçar um paralelo entre as situações dos dois países de língua portuguesa, víamos, naquela época, tanto do outro lado do oceano Atlântico quanto em terras tupiniquins, partidos e movimentos políticos proibidos, prisões políticas cheias, líderes oposicionistas exilados, sindicatos fortemente controlados, greve proibida, demissões fáceis e a vida cultural estritamente vigiada. O que me entristece é saber que a tal R(D)eforma Trabalhista proposta pelo ilegítimo (des)governo Temer, prestes a ser votada em Senado Federal, pode trazer de volta toda essa agonia para o trabalhador brasileiro, exaurindo todas as conquistas efetuadas através de lutas e mobilizações da classe propulsora deste país grande e bobo. Assim, finalizo reiterando o pedido do combatente Chico na versão proibida pela censura brasileira da música supracitada a fim de mobilizarmos e enterrarmos essa indecorosa proposta: "manda urgentemente algum cheirinho de alecrim!".



Postado Por: VERDADES OCULTAS/ Fátima Miranda

RESPEITAMOS A DEMOCRACIA! "Democracia é oportunizar a todos o mesmo ponto de partida. Quanto ao ponto de chegada, depende de cada um." Fernando Sabino

0 comentários:

Postar um comentário

Copyright © Verdades Ocultas

Direitos reservados a VERDADES OCULTAS - Hidden Truths News - Personalização/Arte digital FMS Artes Gráficas WhatsApp 71-99291.6634. http://www.templatezy.com