Damos as boas vindas e agradecemos a todos pela visita a este espaço. Fiquem à vontade para acompanhar ao máximo todas as notícias e informações divulgadas e aproveitem para assistir AO VIVO a TV Justiça, TV Senado e a TV Câmara. ** We like welcome and thank you all for visiting this space. Feel free to follow the maximum all published news and INFORMATION To Watch and enjoy LIVE TV Justice, Senate TV and TV camera. Fachin tira de Moro três ações contra Lula. Deveria tirar todas. ~ Verdades Ocultas

terça-feira, 20 de junho de 2017

Fachin tira de Moro três ações contra Lula. Deveria tirar todas.

Postado por: Elder Pereira - 19:31:00

Compartilhar

& Curtir





Fala-se nos jornais, com grande estardalhaço, da decisão de Luiz Edson Fachin de ter tirado da Vara de Curitiba três ações contra Lula, redistribuindo-as para Brasília (duas) e São Paulo (uma). É uma decisão absolutamente óbvia, cujo único problema é não ter sido tomada antes e para todas as ações.

E vou explicar.

Um das mais graves violações em todo este processo da Lava Jato e a do princípio do juiz natural da qual derivam outras, como da espetacularização dos julgamentos, a parcialidade do Juízo e o cerceamento da defesa. E, ainda numa escala muito maior, a contaminação de todo o sistema judiciário brasileiro, seja por amedrontamento em agir diferente de Sérgio Moro, seja pela ânsia de ser, cada um, um novo Moro, ávido pela fama de juiz-ferrabrás.

Explico, para os que não são muito afeitos às categorias do Direito o que é juiz natural. É o inverso de tribunal de exceção, esta coisa típica do autoritarismo e da ditadura. O princípio do juiz natural é uma garantia do cidadão, não um privilégio ou “direito adquirido” do magistrado.

O critério da distribuição do processo é de natureza geográfica (lugar da infração, ou da moradia do Autor ou Réu), à competência (trabalhista, cível, criminal, fazendária, etc), às prerrogativas de fôro (juízes, promotores, deputados, senadores, etc) e a duas outras coisas de que ardilosamente se serviram para entregar a Sério Moro o quase monopólio judicial de tudo quanto se refira – ou possa se referir – a corrupção de agentes públicos no Brasil: a conexão e a continência.

É na conexão que a porca torce o rabo, no caso da Lava Jato. A conexão visa a reunir processos evidentemente ligados, não a colocar determinado tipo de crime – ou de autor, ou de vítima – sempre sob o mesmo juízo, aquele onde tiver sido cometido o crime de maior gravidade penal.

Moro agarrou-se ao fato de que um doleiro paranaense “chumbrega”, seu cadeeiro velho – já havia dado a ele o benefício de uma delação premiada no caso Banestado – cuja lavagem de dinheiro para “clientes” (que desviavam da Petrobras) ocorria em Brasília, num posto de gasolina (donde o nome Lava Jato) para ir atraindo para si tudo o que dizia respeito a corrupção ativa e passiva (crimes mais graves que o do “branqueamento do dinheiro).

Gustavo Badaró, professor em Direito Processual da PUC de São Paulo, explica na Revista Brasileira de Ciências Criminais (está aqui e é trabalho para quem tiver fôlego para ler um estudo técnico-jurídico de profundidade).

“Ainda que se reconheça essa enorme conexão de tudo o que envolva corrupção da Petrobrás em mais de uma década, bastaria que um único desses crimes conexos, fosse mais grave do que o delito de lavagem de dinheiro, como, por exemplo, corrupção passiva, que possa ter ocorrido em Brasília ou Rio de Janeiro, para que o foro de atração não fosse o da Subseção Judiciária de Curitiba.”

Além do mais, explica o professor, o “fundamento” da conexão – pelo fato de os processos jamais serem reunidos e terem trâmite comum, era, basicamente o “é do Moro”. Ou, como explica o professor porque seria a “vontade popular” que ao Condenador das Araucárias fossem enviados todos os processos referentes à corrupção de agentes públicos no Brasil.

Por minha conta, vou além: no caso de Lula, desenvolveu-se um arsenal imaginário de convicções políticas para ligar um apartamento no Guarujá a contratos na Petrobras, sem que disso – mesmo que o imóvel estivesse sendo a ele transferido ilegalmente – houvesse base alguma em fatos. Do princípio até quase ao final, até que conseguissem um ex-executivo que, negociando a amenização de suas penas, estivesse disposto a assinar as conclusões “teóricas” do Ministério Público de que um apartamento de classe média e a guarda de uns caixotes tivesse sido a contrapartida de favorecimento em contrato de bilhões, dos quais os negociadores tiraram dezenas e até centenas de milhões de dólares!

A justiça brasileira, a mídia ‘direitíssima’ de nosso país e a oposição – agora devorada por seu próprio monstro – fizeram de Sérgio Moro o único juiz deste país. Ou porque tudo é com ele e, quando não é, não há para outro juiz agir senão como Moro.

Desculpem a longa explanação, mas a politização da Justiça é algo muito, muito grave. Porque, embora lhe dê muito poder, na verdade, retira a sua autonomia. Transforma a todos, inclusive aos ministros da mais alta corte, em homologadores ou imitadores de Sérgio Moro, primeiro e único juiz do Brasil.

Fonte: tijolaco

Postado Por: VERDADES OCULTAS/ Elder Pereira

RESPEITAMOS A DEMOCRACIA! "Democracia é oportunizar a todos o mesmo ponto de partida. Quanto ao ponto de chegada, depende de cada um." Fernando Sabino

0 comentários:

Postar um comentário

Copyright © Verdades Ocultas

Direitos reservados a VERDADES OCULTAS - Hidden Truths News - Personalização/Arte digital FMS Artes Gráficas WhatsApp 71-99291.6634. http://www.templatezy.com