Damos as boas vindas e agradecemos a todos pela visita a este espaço. Fiquem à vontade para acompanhar ao máximo todas as notícias e informações divulgadas e aproveitem para assistir AO VIVO a TV Justiça, TV Senado e a TV Câmara. ** We like welcome and thank you all for visiting this space. Feel free to follow the maximum all published news and INFORMATION To Watch and enjoy LIVE TV Justice, Senate TV and TV camera. TEMER DISSE QUE DILMA SENTARIA NO SEU COLO COM A AJUDA DE CUNHA ~ Verdades Ocultas

sexta-feira, 14 de abril de 2017

TEMER DISSE QUE DILMA SENTARIA NO SEU COLO COM A AJUDA DE CUNHA

Postado por: Fátima Miranda - 17:54:00

Compartilhar

& Curtir



Por Patrícia Faermann, no jornal GGN

Quando Michel Temer, então candidato a vice de Dilma Rousseff pela primeira vez, em 2010, pediu 40 milhões de dólares de propina para campanhas do PMDB, em uma das maiores porcentagens já pagas pela Odebrecht a políticos por contratos da Petrobras (5%), o peemedebista sinalizou que teria a petista em seu colo, com a ajuda dos então deputados Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves, em caso de dificuldades para atender a interesses do PMDB.

A descrição de impacto ocorre aos 17 minutos da delação em detalhes do ex-presidente da Odebrecht Engenharia Industrial, Márcio Faria, à Procuradoria Geral da República, liberada à público nesta semana. O delator trouxe aos procuradores a descrição acurada de episódios em que o PMDB, por meio da Diretoria Internacional da Petrobras, obteve altas porcentagens de propinas em contratos fechados pela Odebrecht.

O primeiro relatado naquela audiência foi de outubro de 2010, quando a Odebrecht assinou um contrato de 825 milhões de dólares para o projeto do PAC SMS, que abarcava nove países. "Este contrato, desde o início, foi dirigido para nós [Odebrecht], a verdade foi essa. Meses antes disso, o Rogério [Santos de Araújo, um de seus funcionários] foi procurado por um gerente da Internacional da Petrobras, de nome Aluísio Telles, que procurou, perguntou o nosso interesse, que estava disposto a ajudar, evidentemente em troca de propina". 

"Foi específico?", questionou o investigador. "Falou, falou em 3% sobre o valor do contrato", completando que dias depois se reuniu com o gerente da estatal em sua sala, no Rio de Janeiro, para acertar a negociata de repasses ao PMDB. Não sem, antes, enfrentar resistência dos nomes do PT dentro da Petrobras. 

Márcio Faria contou que houve grande atraso para o início dos trabalhos da Odebrecht, porque o diretores indicados pelo PT não concordavam com o benefício que iria favorecer a bancada peemedebista. Mesmo após vencer a licitação, por meio de favorecimento antecipado da Diretoria Internacional, a Odebrecht teve que esperar para iniciar oficialmente a atuação.

"[Jorge] Zelada, que era o diretor da área Internacional, falou: 'está tudo pronto, mas a gente nota uma resistência, principalmente, pelos diretores indicados pelo PT'. Porque a Diretoria Internacional era sabidamente uma indicação da bancada do PMDB, mais especificamente do PMDB de Minas. O pessoal [indicados do PT] não tinha muito interesse, e foram protelando. E demorou muito", explicou.

Após este episódio, o ex-presidente da Odebrecht Engenharia Industrial narrou o principal repasse de propina recebido pelo PMDB naquele ano eleitoral. Michel Temer comandou uma reunião para angariar 40 milhões de dólares de propina ao PMDB, em 2010, pela Odebrecht. O dinheiro foi o cálculo de 5% sobre o valor total do contrato, algo considerado superior nos padrões de repasses de propinas. 

"Foi a solicitação mais vultosa", descreveu o delator. 

"Tinha um intermediário, ou lobista, o nome que você queira dar, o interlocutor entre a Diretoria Internacional da Petrobras, que era nomeada pelo PMDB, o senhor João Augusto Henriques. Ele procurou o Rogério [seu funcionário], e falou: 'esse projeto é da Diretoria Internacional e para que ele caminhe, seja assinado e vá dentro dos trâmites normais, o partido precisa de uma contribuição expressiva nesse contrato'", disse. "5%, valor muito alto", completou.

"Isso corresponderia a...", questionou o procurador. "Por volta de 40 milhões de dólares". 

Faria relata que "para um contrato dessa magnitude", seria preciso que ele próprio "abençoasse" o fechamento da negociata junto ao PMDB. "Num belo dia recebo um email do Rogério, me convocando para uma reunião que ele chamou de 'cúpula do PMDB'. Eu não tinha a menor ideia", disse.

Contou que a reunião ocorreu no dia 15 de julho de 2010, em um escritório político, e que o correio eletrônico foi enviado um ou dois dias antes. A cópia desse e-mail foi anexada aos autos do processo. "Chegando lá é que eu soube que se tratava do escritório político do senhor Michel Temer, à época candidato a vice-presidente da República na chapa com a Dilma".

"Chegamos, nos anunciamos, nos colocaram em uma sala, cumprimentei o ex-deputado Eduardo Cunha. Entramos em uma sala maior, e nessa sala estava presente o Michel Temer, que se sentou na cabeceira, eu sentei, do meu lado o Rogério, do lado de lá o Eduardo Cunha, o deputado Henrique Eduardo Alves e o João Augusto mais atrás", detalhou.

Em seguida, o ex-diretor da Odebrecht conta que, antes de tratar do tema da propina em si, foram feitas as "apresentações, muitas amenidades, e falamos de política":

Eu que não conhecia até perguntei: 
- Senhor, como é ser vice-presidente da Dilma? Eu não conheço a Dilma. Dizem que é uma pessoa muito complicada. 
Aí o pessoal riu, aquela coisa toda e, para a minha surpresa, até com intimidade, para quem nunca o tinha visto, ele [Michel Temer] disse: 
- Não, se acontecer qualquer coisa, esses rapazes aqui - ele apontou para os dois deputados, Henrique Eduardo Alves e Eduardo Cunha e falou - pode deixar que ela vem, e fica aqui [apontando para o seu colo]. Esses jovens, esses rapazes resolvem para mim, eu não estou preocupado; falou Temer. 

Após a narração, o procurador quis esclarecer o que se tratava a manifestação do atual presidente da República, à época, candidato a vice de Dilma. "'Fica aqui', ele [Temer] sinalizando para o colo dele?", perguntou o investigador. "Exatamente", respondeu Márcio. "Como se, dando a entender que os dois rapazes...", questionou de novo o procurador. "Iam resolver os assuntos necessários de interesse do PMDB", completou o delator.

Assista a partir dos 17:00:


Após esse episódio, caracterizado pelo delator como "amenidades", Márcio Faria afirmou que Eduardo Cunha quem tomou a palavra para introduzir na negociação da propina de 5%. "Eu fui lá para 'abençoar' esse compromisso", disse. "Eu falei que estávamos de acordo, nós vamos contribuir com o que o deputado falou". 

"Não se falou em valores, mas entre eles estava João Augusto [o lobista responsável pela negociação prévia] e eu simplesmente falei que honraria os compromissos", completou.



Postado Por: VERDADES OCULTAS/ Fátima Miranda

RESPEITAMOS A DEMOCRACIA! "Democracia é oportunizar a todos o mesmo ponto de partida. Quanto ao ponto de chegada, depende de cada um." Fernando Sabino

0 comentários:

Postar um comentário

Copyright © Verdades Ocultas

Direitos reservados a VERDADES OCULTAS - Hidden Truths News - Personalização/Arte digital FMS Artes Gráficas WhatsApp 71-99291.6634. http://www.templatezy.com