Damos as boas vindas e agradecemos a todos pela visita a este espaço. Fiquem à vontade para acompanhar ao máximo todas as notícias e informações divulgadas e aproveitem para assistir AO VIVO a TV Justiça, TV Senado e a TV Câmara. ** We like welcome and thank you all for visiting this space. Feel free to follow the maximum all published news and INFORMATION To Watch and enjoy LIVE TV Justice, Senate TV and TV camera. Advogado de Eduardo Guimarães destrói mentira de Antagonista ~ Verdades Ocultas

quinta-feira, 23 de março de 2017

Advogado de Eduardo Guimarães destrói mentira de Antagonista

Postado por: Fátima Miranda - 15:41:00

Compartilhar

& Curtir


O Cafezinho - Muito boa a entrevista do advogado de Eduardo Guimarães, o doutor Fernando Hideo Lacerda, ao jornalista Pedro Zambarda, do blog Diário do Centro do Mundo. Eu ressalto um ponto: Lacerda destrói tranquilamente a mentira do blog Antagonista.
O Antagonista, blog de extrema-direita editado por ex-jornalistas demitidos da Veja, amanheceu hoje cheio de risadinhas maldosas. Mainardi e o outro fizeram vídeo em que tratam, às gargalhadas, do que supunham ser um “furo de reportagem”.
Em seguida, publicam um post com título pomposo, anunciando que tiveram acesso a um vazamento do que falou Eduardo Guimarães, em sala fechada, aos investigadores da Polícia Federal.
Não são tão inteligentes como pensam. Eles não perceberam que queimavam a própria Lava Jato, pois a contradição veio imediatamente à tôna.
Como assim? Quer dizer que Sergio Moro ordena o sequestro de Eduardo Guimarães, apreensão de seus bens, por causa de um vazamento que ele noticiou em seu blog, e a Lava Jato, horas depois do depoimento do jornalista, vaza o que ele disse, ou seu email, para o blog Antagonista?
O pior, no entanto, é a própria substância da “denúncia” do Antagonista, que acusa o blogueiro – e a pessoa com quem ele teria feito contato no Instituto Lula – de “obstrução de justiça”…
Eu acho essa expressão “obstrução de justiça” uma jóia sintática muito mal usada pelos juristas que combatem o arbítrio judicial. Por que ela é só vista pelo lado da acusação e nunca pelo lado da defesa. Obstruir a defesa também é obstrução de justiça. Obstrução de justiça, portanto, comete o juiz Sergio Moro, quando manda a Polícia Federal humilhar e intimidar o jornalista Eduardo Guimarães.
O Antagonista revela que, conforme vazamento (!) da Lava Jato, o jornalista Eduardo Guimarães, após receber a informação de que Sergio Moro ordenaria uma devassa no Instituto Lula e possível prisão do ex-presidente, teria ligado para o Instituto Lula e o comunicado.
“Tem que ser pre-so!”, vocifera Mainardi, junto com seu amiguinho de blog. “Isso é obstrução de justiça”, responde o outro, e ambos ficam dando risadinhas diabólicas e tentando simular uma grande indignação.
O advogado de Eduardo Guimarães matou a palhaçada com poucas frases. Eduardo Guimarães recebeu uma informação e ligou para suas fontes para checar.
Uma das fontes era, naturalmente, o instituto Lula. Eduardo Guimarães contatou-os para saber se eles tinham alguma informação nova sobre o processo movido pela Lava Jato contra o ex-presidente. Na época, Eduardo Guimarães diz isso em seu texto:
DCM: Um blog de direita publicou que Guimarães teria vazado dados sigilosos para o assessor de Lula. É verdade?
FH: Não. No dia 26 de fevereiro do ano passado, o blog divulgou que consultou fontes para verificar se a informação era verdadeira.
O texto afirma: “Segundo o Instituto Lula, ambos foram procurados há poucos dias por quatro procuradores do Ministério Público. Os procuradores não tinham mandato, mas, assim mesmo, interrogaram os dois trabalhadores, que sentiram-se ameaçados”.
Ponto final.
Além disso, Eduardo Guimarães não é agente da polícia federal. Não tem obrigação de guardar sigilo. Também não é um oráculo. Ele não podia ter certeza de que a fonte era absolutamente segura. Tanto que, no seu furo, ele joga completamente limpo com o leitor: olha, gente, aconteceu isso e aquilo. Eu recebi essa informação, fiz algumas checagens com as fontes, e ela me parece suficientemente segura para publicar.
Eduardo Guimarães não é como alguns jornalistas da grande imprensa, que acham muito bonito posarem de alcaguetes e amigos da polícia, num país com o histórico autoritário do Brasil, em que a polícia mata mais que bandido.
Ao cabo, quem mereceria ser preso aqui não é Eduardo Guimarães ou alguém do Instituto Lula, e sim os palhaços do Antagonista, que em seu afã para ficar ao lado do poder e puxar o saco da meganhagem, caluniaram um jornalista.
Eduardo Guimarães pode muito bem analisar um processo contra esses caras.
Abaixo, a íntegra da entrevista. Vale a leitura.
***
Moro não acha Eduardo jornalista, mas há vazamentos para blogs alinhados ideologicamente, diz o advogado de Guimarães. Por Zambarda
Postado em 22 Mar 2017
por Pedro Zambarda de Araujo
Fernando Hideo Lacerda tem 29 anos e é advogado especialista em Direito Penal, trabalhando como professor em instituições como PUCSP e Escola Paulista de Direito.
Ele é o advogado do blogueiro Eduardo Guimarães, que foi conduzido coercitivamente na manhã de 21 de março pela Lava Jato.
O DCM conversou com ele:
DCM: Fizeram uma busca e apreensão na casa do Eduardo Guimarães. O que a Polícia Federal levou de lá?
Fernando Hideo: Levaram um notebook, o celular do Eduardo e o celular da esposa do Eduardo, que era o celular antigo dele. Mas o mandado autorizava “a apreensão de quaisquer documentos, mídias, HDs, laptops, pen drives, arquivos eletrônicos de qualquer espécie, arquivos eletrônicos pertencentes aos sistemas e endereços eletrônicos utilizados pelos investigados, agendas manuscritas ou eletrônicas, aparelhos celulares, bem como outras provas encontradas relacionadas aos crimes de violação de sigilo funcional e obstrução à investigação policial”.
DCM: Um blog de direita publicou que Guimarães teria vazado dados sigilosos para o assessor de Lula. É verdade?
FH: Não. No dia 26 de fevereiro do ano passado, o blog divulgou que consultou fontes para verificar se a informação era verdadeira.
O texto afirma: “Segundo o Instituto Lula, ambos foram procurados há poucos dias por quatro procuradores do Ministério Público. Os procuradores não tinham mandato, mas, assim mesmo, interrogaram os dois trabalhadores, que sentiram-se ameaçados”.
DCM: A Lava Jato vaza dados para sites de direita, como o Antagonista?
FH: A defesa repudia qualquer tipo de vazamento por parte dos órgãos oficiais, que devem zelar pelo sigilo das investigações conforme a legislação processual penal. Lamentamos o fato de se pretender apurar um suposto vazamento mediante uma investigação que sofre de outros tantos vazamentos.
Preocupa-nos, nesse contexto, o fato do magistrado se achar no direito de definir quem é ou não jornalista de acordo com seu juízo discricionário. Por um lado, não considera o Eduardo jornalista alegando que seu blog serviria para “propaganda política”, de outra parte, a realidade mostra que blogs e comentaristas políticos alinhados ideologicamente com os fins perseguidos pelas operações gozam de vazamentos privilegiados.
DCM: Alguns analistas afirmam que a Lava Jato pode acusar Lula de ter destruído informações obtidas através de Guimarães. O que acha?
FH: O Eduardo agiu de acordo com a ética jornalística. Ele recebeu uma informação nos termos que consta de seu blog, checou a autenticidade dos dados e a procedência do vínculo entre as pessoas físicas e jurídicas mencionadas nessa informação e, só então, divulgou a notícia publicamente em seu blog.
Ele falou exatamente o que consta em seu post no Blog da Cidadania.
DCM: Como foi a condução coercitiva do Eduardo Guimarães até a sede da Polícia Federal na Lapa, em São Paulo?
FH: A Polícia Federal compareceu à casa do Eduardo às 6h da manhã para dar cumprimento a duas ordens expedidas pelo juiz Sérgio Moro: um mandado de condução coercitiva e um mandado de busca e apreensão.
As duas ordens judiciais são claramente ilegais. Por um lado, ao determinar “a apreensão de quaisquer documentos”, essa ordem de busca e apreensão viola a liberdade de expressão e o sigilo de fonte. Eles são constitucionalmente assegurados e inerentes à atividade jornalística.
De outra parte, a condução coercitiva é totalmente ilegal e contrária ao que estabelece o Código de Processo Penal. Ainda que admitíssemos a possibilidade de condução coercitiva do acusado, o que é totalmente incompatível com a garantia de não produzir provas contra si e com o direito fundamental ao silêncio, no caso do Eduardo jamais poderia ter sido conduzido. Ele nunca foi intimado para comparecer espontaneamente em data designada pelas autoridades, conforme exige o artigo 260 do Código de Processo Penal.
Ao ingressar na residência do Eduardo às 6h da manhã, apreender o seu celular e levá-lo coercitivamente às dependências da Polícia Federal, sem especificar a ninguém qual o conteúdo da investigação e nem para qual delegacia estão levando-o, eles inviabilizaram seu direito de defesa. Isso também esfacela o Estado Democrático de Direito. Fui avisado por pessoas próximas ao Eduardo que ele tinha sido levado e tive que sair em busca de informações sem qualquer referência, porque não conseguia contato com ele.
Lamentavelmente, o delegado sequer aguardou a minha chegada para início do interrogatório.
DCM: Qual é o argumento da Polícia Federal no inquérito para pedir a abertura do sigilo da fonte?
FH: Em defesa de suas práticas, a Justiça Federal do Paraná (JFPR) divulgou nota alegando que “as diligências foram autorizadas com base em requerimento da autoridade policial e do MPF de que Carlos Eduardo Cairo Guimarães não é jornalista, independentemente da questão do diploma, e que seu blog destina-se apenas a permitir o exercício de sua própria liberdade de expressão e a veicular propaganda político partidária”.
A própria “força-tarefa da Lava Jato”, nome que esses membros do Ministério Público Federal ridiculamente atribuem a si, contrariou os argumentos arbitrários da JFPR, declarando que “reconhece ainda a importância do trabalho de interesse público desenvolvido por blogueiros e pela imprensa independente”.
Há nítido conflito entre as notas oficiais expedidas pelo MPF e pela JFPR, o que por si só demonstra a ilegalidade das medidas autoritárias praticadas contra o Eduardo Guimarães. É tão óbvio que o sigilo de fonte foi violado que a própria nota oficial da Justiça do Paraná procura afastar essa tese alegando que o Eduardo não seria jornalista porque seu blog seria meramente um “veículo de propaganda política”.
Percebam: nem o próprio MPF está de acordo, de modo que o processo penal de exceção se revela cada vez mais como paradigma de combate aos inimigos politicamente selecionados.
DCM: Por que você acha que a Lava Jato está fazendo condução coercitiva com jornalistas como Eduardo Guimarães e, antes dele, Breno Altman?
FH: As conduções coercitivas estão num contexto geral de violação das garantias individuais. Muito nos preocupa a postura do STF, que decidiu “flexibilizar” a presunção de inocência em nome do apelo midiático por uma suposta eficiência do direito penal.
Muito nos preocupa o fato de se considerar que a Operação Lava Jato não precisa seguir as regras dos “casos comuns”, instaurando sem pudor um Estado de Exceção. Muito nos preocupa o Ministério Público Federal requer prisões preventivas com o objetivo expresso de facilitar delações premiadas.
Muito nos preocupa a Justiça Federal violar o sigilo telefônico de uma Presidenta da República durante um processo golpista de impeachment e, meses depois, determinar medidas arbitrárias e ilegais contra jornalistas, visando a apuração de outras tais violações de sigilo.



Postado Por: VERDADES OCULTAS/ Fátima Miranda

RESPEITAMOS A DEMOCRACIA! "Democracia é oportunizar a todos o mesmo ponto de partida. Quanto ao ponto de chegada, depende de cada um." Fernando Sabino

0 comentários:

Postar um comentário

Copyright © Verdades Ocultas

Direitos reservados a VERDADES OCULTAS - Hidden Truths News - Personalização/Arte digital FMS Artes Gráficas WhatsApp 71-99291.6634. http://www.templatezy.com